Sementes Sintrópicas

Salvando a Vida!

Para que a vida na superfície deste planeta tenha uma esperança, nós que já temos uma ligação forte com o ato de cultivar a terra, temos também uma missão, não acham?
Cada um tem a sua história, mas acho que todos que estamos vinculados a reflorestar, seja para beneficio pessoal ou para curar a Terra, temos uma missão em comum.

No meu caso que é o que eu conheço melhor, só pude me dar conta disso depois de passar por uma grande crise de depressão que parecia que nunca ia acabar. Dai fui redescobrindo minha vocação de plantar, comecei a multiplicar sementes. Hoje em dia são poucos os agricultores que produzem suas sementes. Esses são como heróis, mas não estou falando de sementes transgênicas, mas sim de sementes crioulas, puras e orgânicas.
Sementes que tem sabor, vida sintrópica na sua genética, que guardam até a tradição e a cultura de povos nativos.

O que seria agricultura sintrópica sem as sementes puras?
Dentro de cada semente pura tem um banco de dados com um registro e memorias de tudo que a planta viveu de geração em geração até chegar a ser uma semente naturalmente adaptada as modificações que a terra sofreu nesses milhões de anos.
Hoje temos só cerca de 10% das variedades por espécies e cerca de 90% estão consideradas extintas, isso contando somente espécies convencionais que serviu de alimento cultivado durante gerações e aos poucos foram entrando em extinção até chagar na situação critica de hoje, onde cerca de 90% da humanidade não cultiva seu próprio alimento e depende de empresas que os cultiva e depois colocam já processados nos supermercados. Sem falar das espécies PANCs que muitas talvez já foram extintas com tantos desmatamentos e que nossa geração nem sabe que existiu.

Quer saber mais?
Assista o documentário: Semente – A História Nunca Contada
Vimeo: https://vimeo.com/253931223

Então vocês concordam que não existe agricultura sintrópica sem sementes puras?
Estamos juntos nessa de multiplicar espécies que estão entrando em extinção?
Vamos começar abolindo as sementes transgênicas e hibridas?
Vamos começar a criar nosso próprio banco de sementes puras e levar essa ideia aos agricultores desinformados?
Muitas ideias podem ser posta em pratica, não?

Por amor a vida, me ajudem contribuindo com esse Tópico, os índios de todo o mundo sabem reverenciar o valor sagrado da semente! Que na verdade se conserva melhor plantando. As plantas serão infinitamente gratas, por servirem a criação através de nós!

Trópicos relacionados:

https://agrofloresta.org/t/biomassa-em-abundancia/577/2

https://agrofloresta.org/t/convite-para-a-comunidade-de-safs/537/14

https://agrofloresta.org/t/educacao-ambiental-educacao-sintropica-sementes-para-a-vida-futura/590/2

1 Curtida

Então vocês concordam que não existe agricultura sintrópica sem sementes puras?

Não concordo.
Agricultura sintrópica aceita todos os seres vegetais, em amor incondicional. Nem DNA é uma condição, pois aí não seria incondicional.
https://agendagotsch.com/pt/syntropic-farming-principles-by-ernst-gotsch/
Ernst adora plantar eucalipto, acacia mangium, e várias outras espécies exóticas, desde que sejam boas produtoras de biomassa, ou madeira, sendo bem manejadas, todas tem seu lugar. A que não se encaixar, o sistema providencia que saia.

Obrigado pela resposta, sim o amor tem que ser incondicional. Mas eu vejo a manipulação genética como um ato de desamor com o reino vegetal. Pois a Mãe-Terra criou tudo que é vivo com a máxima perfeição, sem necessidade nenhuma de modificar “para melhor”, pois nada substitui a sabedoria do Que criou, e o Que criou está contido na sua própria criação.

Mais respeito muito sua opinião e sua forma de pensar, muito obrigado!

Sê tiver a oportunidade recomendo assistir um filme chamado GRAIN:

Eu acredito que o problema das sementes é principalmente político. As sementes geneticamente modificadas são “propriedade” das empresas que as modificam e isso geralmente é feito de forma injusta, em muitos casos usando conhecimentos guardados por comunidades tradicionais que acabam não se beneficiando nada com isso.

Tem mais um documentário que eu recomendo:
Sementes: bem comum ou propriedade de corporações?

E este texto também:

Acho que precisamos chegar um ponto em comum, cada um usa as sementes que achar que deve usar, mas é muito bom compartilharmos essas informações para não agirmos de forma errada, sem saber! E depois que se der conta e ver que é tarde de mais, ai se perguntará: “Porque ninguém me disse isso antes?”.

Lembrando que Ernst era geneticista, e o que fez ele sair desse ramo? Acho que olhou menos para o lucro e mais para a natureza e sua sabedoria.

“Tomemos como exemplo um cientista, dedicado ao melhoramento genético, que buscava nas plantas forrageiras – seu objeto de estudo – genótipos que fossem mais resistentes às doenças. Imaginemos agora esse mesmo cientista parar, num determinado momento, para se perguntar se a resposta que buscava não poderia vir do caminho oposto ao que seguia.”

“Será que não conseguiríamos maior resultado se procurássemos modos de cultivo que proporcionassem condições favoráveis ao bom desenvolvimento das plantas, ao invés de criar genótipos que suportem os maus-tratos a que as submetemos?”https://www.celuloseonline.com.br/52359-2/

"O geneticista, agricultor e pesquisador suíço Ernst Götsch, que completa 70 anos em 2018, os últimos 36 vivendo no Brasil, faz uma provocação: “mudanças climáticas sempre existiram; o ser humano moderno é que se transformou em vítima”. A crise que mais o preocupa é resultado do sistema racional em que a sociedade vem sendo submetida. Onde estão as respostas? Ernst tem a convicção de que todas podem ser encontradas na simplicidade da natureza. Ele é o criador da agricultura sintrópica, um conjunto de princípios e técnicas, inspirado na engrenagem das florestas, que permite aliar produção de alimentos à regeneração de ecossistemas naturais."https://guaja.cc/agroflorestas/

“Enquanto trabalhava com pesquisa em melhoramento genético na instituição Zurique-Reckenholz, Ernst começou a se questionar se não era mais sensato melhorar as condições de vida das plantas, ao invés de alterá-las geneticamente de modo que estas sobrevivam à escassez de nutrientes e boas condições climáticas aos quais são submetidas nas monoculturas. Assim começou a redirecionar o seu trabalho para o desenvolvimento de uma agricultura sustentável.”

“(…)o crescente desequilíbrio psíquico e emocional que vivem os seres humanos e as crescentes doenças sem cura que muitos estão padecendo são causados pelo desequilíbrio na consciência dos Reinos da Natureza.”

“O fato de que manipulem a vida em laboratórios, para criar animais e vegetais apenas para consumo material, está gerando na consciência planetária, como um todo, um desequilíbrio que desestabiliza as almas. Esses animais e vegetais criados em laboratório não portam, em si, a essência que provém do Criador e são matéria sem vida espiritual. Isso significa que a vida espiritual como um todo começa a morrer na consciência do planeta. Com isso, os seres humanos perdem a possibilidade de amar e de se unir ao Criador, assim como acontece com os Reinos da Natureza.(…)”

Sê o nosso trabalho diário for em colaboração mutua com os reinos da natureza e não contra eles, pode ser que a humanidade tenha uma chance de permanecer existindo neste planeta, quando estamos plantando floretas estamos plantando água, então indiretamente estamos auxiliando o reino mineral através do cultivo de fertilidade do solo que favorece as próprias plantas (reino vegetal) que serve de alimento e abrigo para o reino animal, sê pararmos para perceber estamos dentro de um ciclo natural onde tudo esta inter-relacionado e todos dependem uns dos outros. Só que temos que fazer a nossa parte urgentemente!

Força para suas vidas sintópicas!

Discussão muito relevante.

Falando sintropicamente, temos como “norte” sempre trabalhar à favor da vida, dos processos que criem condições para a vida e para tal precisamos melhorar o local da nossa interação.

Então a pergunta que devemos sempre fazer antes das ações é “minha ação irá melhorar o local da minha interação?”.

As sementes crioulas são fundamentais, mas precisamos ter consciência que como uma prática de Agricultura Regenerativa, a AS parte muitas vezes de uma condição ambiental com pouco suporte a vida e consequentemente aos cultivos mais exigentes. Logo um agricultor que tem em si o “norte” Sintrópico deve fazer uso dos recursos que tenha disponível no seu contexto pensando neste processo de transição de modelos convencionais para um modelo livre de insumos, etc, ou seja, Sintrópico. Não cabe a nós julgar as pessoas, pois cada um tem seu contexto e acredito que compartilhamos do sonho de ver o planeta livre da Agricultura de insumos, convencional, então precisamos respeitar e ajudar os que estão neste processo de transição.

Aproveitando, que tal organizarmos no fórum uma espécie de catálogo de sementes crioulas Sintrópicas @Isaias?

Grato pelo interesse e consentimento!

A pesar de que da minha parte eu queira muito ajudar a salvar a biodiversidade de plantas por meio de suas sementes, eu ainda não me acho a altura de poder criar um catalogo sobre as sementes crioulas, pois eu me dedico muito a plantar e não sei se conseguiria elaborar algo que pelo que me parece vai levar um certo tempo e trabalho, mas posso ajudar com ideias e sugestões de como poderíamos ir fazendo isso entre todos os interessados.

Uma primeira sugestão é entrar em contato com algum banco de sementes e ver se eles já têm um catalogo pronto ou vias de.

Quem puder dar inicio a qualquer ação nesse sentido, vai ser muito bom para a biodiversidade do planeta e de alguma forma para a raça humana.
Links pdf: Sementes Crioulas
http://www.centroecologico.org.br/cartilhas/cartilha_agrobiodiversidade.pdf
Uma coisa que queria dizer é que um amigo sem querer plantou um milho hibrido numa grande lavoura para colher e ter seu lucro, pois ele necessita muito para ajudar seus pais, mas apesar de todos os esforços que isso implicou, na época da colheita o milharal não produziu nenhuma espiga, ou seja, nenhum grão! Pessoal isso é fruto da intervenção ignorante do homem sobre o reino vegetal , que faz com que uma espécie não de frutos!

Como essa história existem milhares e outras mais graves.

De acordo com dados que delineiam as taxas de suicídio dos agricultores, 17.638 agricultores indianos se suicidaram em 2009 - cerca de uma morte a cada 30 minutos. Muitas vezes, os agricultores iriam cometer o ato por beber o mesmo inseticida que a Monsanto lhes forneceu - um final terrível no qual a Monsanto tem destruído a vida dos agricultores independentes e tradicionais.

Muitas famílias estão agora em ruínas graças aos suicídios em massa, e são deixados à ruína econômica e devem lutar para combater a fome:

" Estamos arruinados agora “, disse uma esposa de um homem morto de 38 anos de idade. " Nós compramos 100 gramas de algodão BT. Nossa plantação falhou duas vezes. O meu marido ficou deprimido. Ele saiu de seu campo, se deitou sobre o algodão e ingeriu inseticida .”

Leia também: 37 Milhões de Abelhas Morrem após o Plantio de Milho Transgênico no Canadá

Agora, a Monsanto causou massivos 291.000 suicídios na Índia com seus transgênicos , criações químicas e descaradas práticas comerciais.

" . . . as motivações para esses suicídios seguem um padrão familiar: Os agricultores ficam presos num ciclo de endividamento tentando ganhar a vida cultivando o algodão Bt geneticamente modificado da Monsanto. Eles sempre vivem no limite, somente uma safra arruinada pode acabar com as esperanças de algum dia pagar os seus empréstimos, e ainda menos menos permitir que as suas famílias sigam adiante. O pai de Manjusha, como muitas outras vítimas de suicídio, se matou bebendo o pesticida que ele espalha em suas culturas ".

No vídeo abaixo, o Dr. Vandana Shiva fala sobre a situação atual na Índia e como os OGMs (organismos geneticamente modificados) têm afetado os agricultores lá. Dr. Shiva é um índio ativista ambiental e autor anti-globalização.

Tenho observado espécies muito valorizadas entre os pequenos agricultores irem desaparecendo por não se adequar ao mercado consumidor e a dinâmica capitalista.

Temo que no futuro próximo quando formos procurar por espécies como por exemplo pelo milho-doce ou pela mandioca-branca-de-um-ano ninguém nem saber do que estou falando!

Vamos fazer algo enquanto ainda há tempo?

/OneStrangeRockNatGeoBrasil/videos/172609356785404/

1 Curtida